Seja bem vindo ao site da Câmara Municipal de Tupi Paulista, Terça-feira, 30 de Novembro de 2021

Atendimento Presencial:
Segunda à Sexta 8h 11h e das 13h 17h

Clima
Tupi Paulista
30ºC max
17ºC min
phone (18) 3851-1975

Breve história do município



A origem do antigo povoado de Tupi, atual Tupi Paulista, situado na zona da Alta Paulista, no espigão entre rio do Peixe e rio Aguapeí, banhado pelos ribeirões dos Marrecos e Nova Palmeira, assemelha-se a de tantos outros povoados da região: a venda de uma gleba de terras para resolver problemas de isolamento e ausência de vias de comunicação com outros centros urbanos. Em 1941, Lélio de Toledo Pizza e Almeida, proprietário de gleba de matas, fundou uma povoação. A atração de colonizadores se fez mediante a venda de lotes a preços acessíveis, após os trabalhos de desmatamento e arruamento feitos pelo engenheiro Francisco Cunha. A primeira denominação do loteamento foi “Tupy”, alterada posteriormente para Gracianópolis.

Com o crescimento econômico, surge a necessidade do desenvolvimento político-administrativo e o povoado elevou-se, em 30 de novembro de 1944, à condição de distrito, com terras desmembradas dos municípios de Andradina e Presidente Venceslau e do Distrito de Ribeirão dos Índios, sendo criado o Distrito de Paz de Gracianópolis, do município de Lucélia. A lavoura de café, principal fonte de riqueza do futuro município, começou a ser cultivada em 1948. Em 24 de dezembro de 1948 o distrito adquiriu autonomia municipal e, em 30 de dezembro de 1953 alterou o seu nome para Tupi Paulista, que hoje é constituído dos Distritos sede, Guaraciaba d’Oeste e Oásis. Na década de 60 Tupi Paulista teve sua fase áurea, impulsionada pela produção de café que atingiu a marca de 18 milhőes de pés em produção e com uma população rural estimada em 11.000 habitantes.

Hino Oficial do Município

"Meus olhos brincam pelas ruas da cidade
E a minha alma relembra com saudade
Muitos momentos tristes e também momentos alegres
E, que de ti fizeram, para mim, a mais bela das cidades.
 
Recordo Tupi, tu que um dia.
Foste praça, foste graça, Gracianópolis.
Amor à primeira vista de homens valorosos que te descobriram,
Fazendo, assim, de ti, recanto de esperança, eternamente paz.
Tento decifrar o encanto,
 
O eterno mistério que tu tens.
Porém, o coração apaixonado.
Cede e murmura: Tupi és meu amor!
 
Então, teus filhos resolveram enfeitar-te,
Quando ainda eras imensa tela em branco.
Homens corajosos, com pincéis, brincaram de artista,
Assim com Deus fez, construindo um dia o paraíso.
 
Pintaram, então, uma casinha.
Que trazia dentro dela alma e coração.
Adornaram-na com flores, com árvores e construíram um jardim.
Nos campos, homens suados, com verde coloriram uma nova plantação.
 
Mulheres fortes confiaram nestes homens
E aceitaram o grande desafio:
Tirar água do poço, cozinhar em um fogão à lenha.
Mas, à noite, colocavam seus enfeites de mulher bonita.
 
Saíam com fita nos cabelos,
Revelando formosura em seu caminhar.
As ruas, salpicadas por seus belos sapatos de salto quinze.
E, se não havia luz, havia lampião e havia festa.
 
E o que era sonho tornou-se realidade.
A grande tela, pintada ficou.
Teus filhos antigos foram verdadeiros "Picassos",
Mesclaram de azul e branco e ficaste, assim, iluminada.
 
E luzes, então, se acenderam,
Novo brilho ofuscando vela e lampião.
Teus novos filhos caminham, pincelando a paisagem com sua aquarela,
Desenham, projetam sonhos, tornando-te mais bela oh! querida Tupi."

Bandeira Oficial do Município

Brasão Oficial do Município